25 agosto, 2006

21 agosto, 2006

revista Bongolê Bongoró


Bongolê Bongoró é uma revista de 90 páginas produzida pelo Melius Zapiranga Bongo (hein?), de Brasília, e que contém histórias em quadrinhos realmente engraçadas, textos estranhos, além de ilustrações bizarras, belas, loucas e profusas. Tem até umas partituras musicais que dialogam com os textos e desenhos. Traço maduro, tem o sujeito.

Para adquirir a Bongolê você tem que enviar 5 pilas pra Caixa Postal 6116, 70740-971 Brasília/DF. Achou o esquema ruim? Escreve pra ele (meliusbongo@yahoo.com.br) e negocia. Ah sim, vale cada centavo, até por que você também recebe um mini-poster (na foto acima, sob a revista) bem bacana de brinde, em tamanho A3. Parece até uma gravura, só que num estilo mais contipurâneo de desenho.

Peruntei pro cara se a revista possuía colaboradores e a resposta que ele me deu foi

Bom, a nossa equipe é constituída de excelentes profissionais de renome internacional e alto gabarito, mas quem assina tudo sou eu. hahahaha
Em breve eles começam a andar com as próprias pernas por aí. Esses garotos ainda não têm o que é necessário para sobreviver na selva do mercado editorial nacional, se é que você me entende, então vou dando uma forcinha pros coitados!

Acho que o canalha fez ela toda sozinho mesmo.

Acessem o blog da Bongolê, que ali tem uma CANJA do conteúdo da revista.

16 agosto, 2006

um praguejo & a glória do desporto nacional


Praguejando um pouco pra não perder o costume.

Recordar é viver um passado que não volta, mané: Tiras da Nina atualizado com novas velharias.

Tava pensando: o dia em que comecei a desenhar a Nina foi 14 de agosto de 2005. Faz um ano que comecei essa palhaçada.

Mas praguejar pra quê?...


...Colorado! iéé!

13 agosto, 2006

entrevisteca

O Egs, um genial discotecário (embora muitas vezes mal compreendido), fez esta entrevista aqui para uma matéria sobre blogs gaúchos de quadrinhos no site Overmundo. Tem mais Chiquinha, Sica e André Macedo.

Só uma correção: ele fala que está para rolar uma participação numa exposição em São Francisco, EUA. Mas essa participação já aconteceu e foi no APE, em abril. O convite foi feito pela Julia Wertz, um contato que tenho do Flickr. A entrevista foi feita há um tempo e só agora foi pro ar, talvez por isso o equívoco. Quando chegarem as Mini Comics que a Julia me prometeu, com a colaboração, eu digitalizo e coloco aqui.

Dá um conferes lá na entrevisteca.

10 agosto, 2006

lingüística catarinense & magnata do turismo sexual


Manezês é o dialeto falado em Florianópolis pelo (dã) manézinho, nativo da ilha. Aqui, não raro, você vai mesmo ouvir as expressões acima, mas só se o manézinho for autêntico mesmo. Se for tipo eu, gaúcha natural de Florianópolis, fajuta, só se for pra tirar sarro mess.

Existem várias dessas, que não lembro, mas se lembrar (ou ouvir enquanto estiver na ilha), eu faço um update. Dá pra fazer uma série de quadrinhos só com o manezês. É hilário. A única que lembro agora, que não está na tira, é PAXTILHA DI PROSA, que significa ficha telefônica.

Fiz essa bagaça aí no meu sketchbook, sentada num quiosque à beira mar, tomando uma skol big neck. Terapia anti-stress.

Tiras da Mau está no One Zillion Dollars Home Page. Turismo sexual em Florianópolis dá dinheiro, sabiam? Os caras da banda TudocorE chuparam a idéia do britânico que vendeu um milhão de pixels no site Million Dollar Home Page para pagar sua faculdade. A TudocorE tem um propósito ainda mais nobre: encher nossos ouvidos com composições próprias e versões num hard core engraçado, de músicas, como por exemplo, o tema do desenho animado Cavalo de Fogo. Quase chorei lembrando da aurora da minha vida quando assistia a Sara versus Diabolim. O preço do anúncio? Mil dólares cada pixel. Pois então, larguei minha de estagiária e estou vendendo meu corpo a peso de ouro em Floripa, a ilha da magia. Foi assim que paguei muito caro pelo maior banner que o site tem até agora. A Toscographics, a revista F., os Malvados e o Hemetério já têm os seus também. Dá um conferes lá.

05 agosto, 2006

Feio, fraco e formal


Este é o Feio, um boneco tosco de feltro. O Feio* foi a primeira coisa que eu fiz no meu primeiro dia de licença saúde de 10 dias. Meu psiquiatra me deu dez dias de licença e remédios para dormir. No segundo dia (hoje), peguei o Feio, meus remédios e meu caderno de rabiscos e fui passar uns dias com meu pai e meu irmão na FEIA cidade de Florianópolis**. Hasta.

[fora de contexto]
Ah, e não deixem de visitar o site do Diego Medina (ex-Video Hits, Doiseu Mindoisema - sei lá como escreve essa porra, etc etc). O cara é um poço de criatividade no que quer que seja, além de ser um genialíssimo artista gráfico. Pra quem não sabe, é dele o histórico hit EPILÉTICO.

*A Chiquinha disse que parece o demo. Hehe
**Victor "Bahia" Valente: caso você leia essa naba mande-me um e-mail (mauren.veras@gmail.com) com seu telefone residencial. Deixei minha agenda em Porto e quero ver você para, quem sabe, comer uma moqueca, beber graspa, relembrar sua visita para o show do Cake e se pá até dançar um forró. Blé.